Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Artigos › 02/05/2017

A ruptura do pacto entre as gerações e a privatização do futuro

Para o economista Frederico Melo, do Dieese, a proposta da reforma previdenciária rompe um pacto entre as gerações, pois leva ao desencorajamento das contribuições dos jovens que se questionam o sentido de trabalhar durante 49 anos para ter uma aposentadoria integral.
 
O fenômeno da quinquenarização da sociedade, ou seja, do quinto setor, integrado pelos aposentados, depende do sistema solidário e de partilha entre as gerações. Kofi Hamann que foi presidente da ONU, sempre defendeu a tese de uma sociedade para todas as idades, de acordo com ele, ter pessoas anciãs, era um valioso capital humano e moral. Na perspectiva da reforma atual, voltamos a distopia (contra utopia) de Aldous Huxley, “Um maravilhoso mundo feliz”, em que as pessoas tinham um prazo de validade para viver, depois do qual tinham que ser sacrificadas. Um modelo que restringe direitos, precarizando os recursos da terceira idade, terá como efeito reduzir a expectativa de vida e inviabilizar a sobrevivência dos idosos que não tiverem amparo na sua família.
 
Ora, num quadro de 13,5 milhões de desempregados, a renda familiar diminuiu, como manter o grupo nuclear da família (país e filhos) com a necessidade (que é dever) de amparar os idosos? Quando se priorizam os lucros de possíveis aposentadorias privadas e não se olha para as pessoas, especialmente os mais pobres e desprotegidos, estamos diante de uma economia sem alma que não duvida em sacrificar o povo para fazer “caixa”.
 
Em vez de ampliar as políticas de amparo e proteção para os idosos ou contar com o apoio da cidadania deste setor em que poderíamos abrir frentes de voluntariado, se prefere seguir a lógica do capital e da ganância. Quando pensamos que as pessoas são problema em vez de solução, quando optamos por resolver a equação da partilha da renda ou dos convidados à mesa eliminando direitos consagrados, escolhemos, como afirmou a Nota da CNBB, o caminho da exclusão, da segregação e da marginalização social. Não concordamos com esta proposta de reforma previdenciária que tira do trabalhador a justa aposentadoria para seu envelhecimento com paz e dignidade. Que o Senhor de todas as idades inspire as lideranças políticas a rejeitar esta reforma descabida e arbitrária fazendo justiça a nossos trabalhadores e aposentados.
 
Deus seja louvado!
 
Por Dom Roberto Francisco Ferreria Paz – Bispo Diocesano de Campos (RJ)
 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.