Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Notícias › 22/12/2016

Aleppo monta primeira árvore de Natal após 5 anos de guerra

A poucos dias do Natal, os cristãos de Aleppo, na Síria, inauguraram a primeira árvore de Natal da cidade, após cinco ano de intensa guerra na região. A inauguração foi na terça-feira, 20, poucos dias depois que a cidade foi libertada.

“A libertação veio com o Natal”, indicou o chefe da missão de ‘SOS Chrétiens d’Orient’ na Síria, Alexandre Goodarzy. A organização francesa se dedica a atender os cristãos que sofrem devido às consequências da perseguição e da guerra em países como Síria e Iraque.

Alexandre Goodarzy, de origem francesa e que atualmente está em Aleppo, disse que aproximadamente há quatro dias, 15 pessoas começaram a construir a árvore em um bairro cristão chamado Aziziyeh, localizado na zona oeste da cidade.

Goodarzy indicou que não há perigo de que possam tirá-la de lá, porque a “Síria é um país leigo”, diferente da França. “Lá [França] não permitem que nós coloquemos os presépios nas ruas. Na França, isto está proibido, não deixam as pessoas colocarem coisas como esta, em um local público. Na Síria não têm nenhum problema com isso”.

Também disse que os cristãos de Aleppo “estão muito felizes porque para eles é o símbolo da vinda de Jesus, da paz. Para eles, é o Senhor da paz que está voltando para as suas vidas. Estão felizes de ver o símbolo do Natal. Inclusive os muçulmanos estão contentes com esta grande árvore”.

Atualmente, o exército sírio em Aleppo continua realizando a evacuação dos civis que ainda estão na zona leste da cidade, que foi libertada na semana passada do controle dos grupos rebeldes e terroristas como o Exército Livre Sírio, a Frente Islâmica e a Frente Al-Nusra, que tinham tomado a cidade desde 2012.

Antes da guerra civil, que começou há cinco anos, Aleppo era a segunda cidade mais importante da Síria e foi a que mais sofreu as consequências do conflito. As regiões mais castigadas foram este setor e os bairros cristãos.

Por Canção Nova, com Rádio Vaticano

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.