Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Homilia Dominical › 18/07/2017

VIGÉSIMO PRIMEIRO DOMINGO DO TEMPO COMUM

Pe. Valeriano dos Santos Costa – Capela da PUC-SP – 27 de Agosto de 2017

Is 22,19-23; Sl 137 (138); Rm 11,33-36; Mt 16,213-20

 

TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO!

 

A pergunta de Jesus – Quem dizeis que eu sou? – foi respondida por Pedro, em nome do grupo apostólico: Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo. Os pontos principais são:

 

  1. É um ato de fé que só pode ser revelado por Deus. Nenhuma sabedoria humana poderia alcançar a verdade que transforma a vida humana por inteiro. No contexto da época, reconhecer Jesus como Messias significava encontrar a Deus e se encontrar a si mesmo. O coração de Pedro encheu-se de alegria e seus olhos de brilho (feliz és tu, Pedro). A partir daí ele viveu na luz e venceu todos os problemas. Por isso teve a humildade de aceitar sua fraqueza humana na hora cruz.
  1. A revelação veio diretamente de Deus Pai: meu Pai que está no céu. Pedro tinha a sensibilidade de uma criança para acreditar no Pai Eterno, o Paizinho de todos nós.
  1. É sobre essa fé que a Igreja se assenta. Quando a fé esmaece, a Igreja encolhe.
  1. À Igreja é dado o poder da Santíssima Trindade, um poder invencível, que derrotará as forças do inferno.
  1. As chaves do Reino estão nas mãos de Pedro e da Igreja, que faz o ato de fé petrino. Assim as coisas se ligam no céu e na terra.
  1. É importante fazer a profissão de fé como um ato pessoal, profundo. Para o filósofo cristão Xavier Zubiri a razão é a marcha em busca da apreensão mais profunda de uma realidade. E essa apreensão se faz em forma de impressão, isto é, mexe com os sentimentos. Por isso Jesus recomenda aos Apóstolos não saírem contando como notícia “jornalesca” a grande descoberta de suas vidas: Jesus é o Cristo. Dizer isso com fé é uma iluminação que faz vibrar todas as células do corpo, porque é estar em contato direito com Deus. Se um cristão não passou por esse momento, lhe falta alguma coisa fundamental.
  1. Cada um de nós teve o seu momento. Quando estudava em Roma, em uma hora difícil, fui ao Marmentino, onde São Pedro foi prisioneiro e disse a Deus: Senhor, junto com Pedro, que neste lugar foi prisioneiro, confesso que és o Cristo de Deus e pela tua graça quero ser apóstolo como ele. Senti uma força que nunca mais me abandonou. Na próxima semana vou a Roma e volto ao Marmentino para renovar minha profissão de fé. Sonho de, no final da vida, poder dizer como Paulo: combati o bom combate, guardei a fé.
  1. Encerro lembrando nossa luta pelo Dízimo, que é uma parte do que Deus nos dá e separamos para ser aplicado nas coisas de Deus. Em hebraico santo significa Então o dízimo é santo, porque nós o separamos e consagramos a Deus.

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.