Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Notícias › 07/04/2017

Dia de jejum e oração pela Síria convida a rezar por vítimas dos conflitos

A Caritas Italiana e a organização católica Pax Chirsti propõem, para a próxima quarta-feira, 12, um dia de jejum e oração pela Síria, na véspera do Tríduo Pascal. Será uma ocasião para não esquecer, para viver a paixão e a cruz de tantos inocentes no mistério da Paixão de Cristo, na luz da esperança da Páscoa.

No comunicado conjunto da Caritas Italiana e da Pax Christi recordam-se as palavras do Papa Francisco na Missa celebrada no Sacrário Militar de Redipuglia, em 13 de setembro de 2014. “Também hoje – havia dito o Santo Padre – as vítimas são tantas…Como é possível isso?”. “É possível – acrescentou o Pontífice – porque também hoje nos bastidores há interesses, planos geopolíticos, ganância por dinheiro e por poder, há a indústria das armas, que parece ser tão importante! E estes planejadores do terror, estes organizadores do confronto, bem como os empreendedores das armas, escreveram no coração: ‘que me importa?’”.

O comunicado reitera que toda guerra é crime, loucura, suicídio da humanidade, aventura sem retorno. “Estamos e continuamos com as vítimas não somente para ajudá-las a sobreviver à guerra, mas também para construir um futuro durável de paz, baseado na cultura da não-violência. Só graças aos jovens, a não-violência poderá finalmente voltar a florescer na sofredora nação síria”. Da mesma forma, os organismos se colocam ao lado das vítimas do Congo, Sudão do Sul e Iêmen, onde os bombardeios acontecem também com armas italianas.

A Síria sofre com a guerra civil há mais de seis anos. O conflito entre grupos rebeldes e o governo de Bashar Al-Assad, somado à presença de grupos extremistas como o Estado Islâmico, já causou centenas de mortos e refugiados, estabelecendo uma grande crise humanitária no país.

Nessa semana, na cidade de Idlib, pelo menos 100 pessoas morreram e 400 ficaram feridas em um ataque químico. Em resposta, os Estados Unidos atacaram a mesma base aérea que lançou o ataque químico.

“Falou-se do uso de armas químicas, de gás. Sabemos que na guerra a verdade é a primeira vítima, mas pedimos em alta voz que seja apurada. Enquanto isso, pedimos firme empenho para colocar fim a esta loucura, evitando o risco real de vício e resignação diante de uma terceira guerra mundial combatida em ‘pedaços’. Convidamos à oração pelas vítimas, mas também à indignação contra a guerra e as armas, incluindo aquelas nucleares”, conclui o comunicado.

Por Canção Nova, com Rádio Vaticano em italiano

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.