Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Notícias › 28/09/2017

Na ONU, Santa Sé reitera necessidade de combate ao tráfico humano

Em conferência realizada nesta quarta-feira, 27, em Nova Iorque, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, o assunto em análise foram as resoluções e estratégias contra o tráfico humano, prática que tem atingido especialmente mulheres e crianças.

“Segundo o relatório sobre tráfico de pessoas do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC), dezenas de milhões de pessoas são vítimas de trabalho forçado, servidão sexual, recrutamento na condição de crianças-soldado e outras formas de exploração e abuso”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres.

O secretário vaticano para Relações com os Estados, Dom Paul Gallagher [foto], em sua intervenção durante a reunião, pediu o comprometimento de todas as autoridades envolvidas na prevenção deste crime, citando como exemplo um plano de ação adotado. “A minha Delegação gostaria de estruturar a sua avaliação sobre o progresso do Plano de Ação em torno dos quatro objetivos que o sustentam, o quais denominamos como ‘quatro Ps’: prevenir o tráfico de pessoas abordando o que o impulsiona; proteger e auxiliar as vítimas; processar os envolvidos no crime de tráfico; e promover parcerias entre instituições governamentais e todas as partes interessadas para erradicar o tráfico e reabilitar os sobreviventes”.

Dom Paul também se manifestou sobre a necessidade de proteção e assistência às vítimas deste crime. “Por conta dos profundos traumas sofridos, é necessário um maior reconhecimento de que o trabalho de reabilitação não pode ser um programa breve, mas que exige um investimento a longo prazo para proporcionar a cura e o treinamento necessário para que as vítimas comecem uma vida normal, produtiva e autônoma”, afirmou Dom Gallagher.

Tanto a Igreja católica quanto a ONU reconhecem que as vítimas mais afetadas pelo tráfico humano são as mulheres e as crianças, assim como meninos explorados para fins sexuais e para a retirada de órgãos vitais, crianças que chegam a ser obrigadas a mendigar e homens que são levados a situações de trabalho forçado.

Dom Gallagher destaca o trabalho que as mulheres da Igreja têm realizado para sanar este quadro, dedicando-se à proteção dos mais vulneráveis. “Quero sublinhar em particular o papel das mulheres religiosas, que estão na linha de frente ajudando àqueles que caem nas armadilhas do tráfico humano. Com amor e carinho, elas pacientemente acompanham as vítimas na longa estrada de volta à vida com liberdade”, afirmou.

O secretário-geral da ONU advertiu ainda que os recentes conflitos trazem insegurança e incerteza econômica. Estas mazelas trouxeram novos desafios às autoridades em segurança e controle de fronteiras. “Redes criminosas aproveitaram-se da desordem e do desespero para expandir sua brutalidade e seu alcance”, lamentou Guterres.

Agenda 2030

A Agenda 2030, documento que contém diversas diretrizes para conter o tráfico humano, foi lembrado durante essa conferência na Assembleia Geral e reforçado como um importante dispositivo das autoridades envolvidas na proteção dos mais vulneráveis.

Dom Gallagher lembrou que três dos 169 objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável são explicitamente dedicados ao combate ao tráfico humano. O Secretário da Santa Sé recordou ainda as palavras do Papa momentos antes da Agenda ser assinada. “Devemos garantir, como afirmou o Papa Francisco, que nossos esforços são verdadeiramente eficazes na luta contra todos esses flagelos”, disse o Secretário da Santa Sé.

“Frequentemente, o tráfico é estimulado pela pobreza e pela desigualdade. O combate ao tráfico e a busca pelo desenvolvimento sustentável e inclusivo andam de mãos dadas”, finalizou Guterres.

Por Canção Nova, com Santa Sé e ONU

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.