Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Notícias › 09/12/2016

Papa homenageia a Virgem Maria e pede por crianças abandonadas

O Papa Francisco rezou ontem, 8, pelas crianças abandonadas, durante uma homenagem à Virgem Maria, na Praça de Espanha, Roma. A cerimônia é uma tradição anual que decorre no dia da Imaculada Conceição.

“Trago-te, Mãe, as crianças, especialmente as sós, abandonadas, e que por isso são enganadas e exploradas”, declarou o Pontífice, na oração proferida diante da imagem, na capital italiana.

O Papa, que saiu do Vaticano num carro utilitário, disse levar no coração as pessoas que lhe foram confiadas “na cidade de Roma e no mundo inteiro”.

Francisco lembrou em particular “os irmãos pobres, doentes, desprezados”, pedindo o compromisso das comunidades católicas para “levantar quem caiu e apoiar quem vacila”.

Francisco rezou ainda pelas famílias, especialmente as que passam por maiores dificuldades por causa de “problemas internos e externos”.

“Trago-te, Mãe, todos os trabalhadores, homens e mulheres, e confio-te sobretudo que, por necessidade, se esforça por cumprir um trabalho indigno, quem perdeu o trabalho ou não consegue encontra-lo”, prosseguiu.

O Papa pediu que as pessoas possam “reencontrar” a capacidade de olhar para o mundo com “respeito e reconhecimento”, ao encontro de quem está só, sem ceder ao “desencorajamento”.

A deslocação à Praça de Espanha, junto do monumento à Imaculada Conceição, que recorda em Roma o dogma proclamado por Pio IX. É uma tradição iniciada pelos predecessores de Francisco; o Papa levou flores até junto da imagem que foi colocada nesta praça, em 1857.

Após a oração, Francisco passou cumprimentando doentes, pessoas com deficiência, crianças e idosos que estavam no local.

O dogma

O dogma da Imaculada Conceição de Maria foi proclamado a 8 de dezembro de 1854, através da bula Ineffabilis Deus, a qual declara a santidade da Virgem Santa Maria desde o primeiro momento da sua existência, sendo preservada do pecado original.

Por Canção Nova, com Agência Ecclesia

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.