Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Notícias › 23/05/2017

Pe. Spadaro: diplomacia de Francisco constrói pontes e abate muros

“O Atlas de Papa Francisco. Como o Papa vê o mundo?” foi o tema da mesa-redonda realizada no dia 20 de maio na sede da revista dos jesuítas “La Civiltà Cattolica” em Roma.

Em entrevista à Rádio Vaticano, o diretor da publicação, Padre Antonio Spadaro, falou sobre os critérios que norteiam a ação diplomática do Santo Padre, marcada pela misericórdia e pela cultura do encontro:

“Encontrando nós jesuítas da Civiltà Cattolica, o Papa disse que a crise é global e que portanto é necessário dirigir o nosso olhar aos critérios por meio dos quais vemos o bem e o mal no mundo, procurando entender como funciona. Neste sentido, o Papa vê o mundo como uma realidade complexa de grande diversidade onde o risco é que sejam construídas barreiras, que sejam construídos muros. Muitas vezes referiu-se ao risco de populismos e nacionalismos que fecham as nações dentro de si mesmas. Assim, o Papa vê o mundo como abraçado por um desejo de encontro, de superação das barreiras, mas também um mundo em que existem feridas abertas que podem, porém, se tornar portas. Foi assim, por exemplo, para Lampedusa e para a Ilha de Cuba. Portanto, poderíamos dizer um mundo em movimento, que porém, tem necessidade de uma alma”.

RV: Obviamente quando se fala de Atlas, o pensamento se volta, naturalmente, para as viagens do Papa. O senhor escreveu várias vezes que muitas destas viagens, como por exemplo ao Egito, têm um “valor terapêutico”. Qual o significado desta expressão?

“O Papa ama confrontar-se com a realidade assim como é, e muitas vezes esta realidade é dramática. Existem fortes tensões nos países que o Papa tocou, ao menos em muitos destes países estão acontecendo tensões muito fortes e o Papa quis tocar com a mão, às vezes até mesmo os próprios muros fisicamente, os muros que existem, como foi em sua viagem à Terra Santa, o muro de Auschwitz – que tem um valor histórico – e situações complexas e de divisões, como foi em Cuba, em Bangui, etc. Portanto o Papa quer confrontar-se com esta dramaticidade, mas quer fazê-lo como fez o Senhor, isto é, tocando com a mão para curar e então a sua abordagem e o seu contato direto, eu diria físico, com esta realidade complexa e difícil e cheio de tensões é um contato que quer restabelecer a fluidez, os contatos, as pontes. Quer curar as feridas”.

RV: O Papa Francisco propõe uma “diplomacia da misericórdia” – afirmou recentemente o Premier italiano Gentiloni em um encontro promovido pela Civiltà Cattolica. Quais seriam, na sua opinião, os pontos fortes em que se expressa esta diplomacia assim tão particular?

“Substancialmente significa que nunca nada deve ser considerado como definitivamente perdido, não somente nas relações entre as pessoas, mas também entre os Estados ou entre os vários quadrantes conflituais encontrados hoje em nosso mundo. Assim, neste sentido, o Papa é aberto ao diálogo com todos, porque sabe bem que muitas vezes não está em jogo o bem contra o mal, mas é toda uma questão de interesses, e portanto é necessário falar com todos, porque somente deste modo se consegue alcançar uma solução mediada, portanto diplomática, sabendo que nunca nada deve ser considerado como perdido”.

RV: Em 24 de maio o Papa Francisco receberá no Vaticano o Presidente estadunidense Trump. O Papa disse aos jornalistas no voo de volta de Portugal: “Escutarei ele sem preconceitos”. Aqui se percebe também o realismo do cristão, poderíamos dizer com a Evangelii gaudium, de que “a realidade é superior à ideia”…

“Para o Papa sempre a realidade é superior à ideia e o encontro é superior a qualquer outra coisa, porque o Papa não raciocina em termos de ideias ou de preconceitos. Portanto é perfeitamente consciente das dificuldades que existem em cada encontro, mas ao mesmo tempo não quer colocar premissas, “a prioris”, prefere encontrar as pessoas e naquele contexto ser sincero, franco. Somente a partir de um encontro, de um encontro realístico em que cada um diz aquilo que pensa, é possível sair com perspectivas para o futuro”.

Por Rádio Vaticano

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.