Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Notícias › 03/10/2016

Veja o que foi destaque na coletiva do Papa com jornalistas

“Obrigado como sempre pelo trabalho de vocês. Perguntem o que quiserem”, disse o Papa Francisco aos jornalistas que o acompanharam nos três dias de viagem ao Cáucaso neste fim de semana, primeiro à Geórgia e depois ao Azerbaijão. Na coletiva de imprensa, a primeira tendo ao lado o novo diretor da Sala de Imprensa, Georg Burke, o Pontífice comentou suas impressões sobre os dois países visitados, falou das próximas viagens, do Consistório e das eleições nos Estados Unidos.

Uma jornalista georgiana perguntou sobre uma futura colaboração com as Igrejas Ortodoxas em relação às diferenças de doutrinas. Francisco disse que questões de doutrinas devem ser deixadas para os teólogos; o povo deve rezar um pelo outro e fazer as coisas juntos.

“Vamos fazer as coisas de bem pelos outros, juntos. Isso podemos fazer. E este é o caminho do ecumenismo. Não só o caminho da doutrina: este é o último; se chegará ao fim. Mas vamos começar a caminhar juntos. E com boa vontade, isso pode ser feito, se deve fazer. Hoje o ecumenismo se deve fazer caminhando juntos, rezando uns pelos outros. E que os teólogos continuem conversando entre eles, estudando entre eles”.

Matrimônio e divórcio

Em relação ao matrimônio e divórcio, outro assunto levantado na coletiva, o Papa sublinhou que o matrimônio como imagem de Deus é a união entre homem e mulher. “A imagem de Deus não é o homem, mas o homem com a mulher que formam uma só carne quando se unem no casamento. Esta é a verdade”, sublinhou.

Francisco falou ainda de uma guerra mundial contra o matrimônio. “O matrimônio é imagem de Deus, homem e mulher numa só carne. Quando isso é destruído, se suja ou se desfigura a imagem de Deus. A Amoris laetitia fala sobre como tratar estes casos, como tratar as famílias feridas e aqui entra a misericórdia. O matrimônio ferido, os casais feridos: entra a misericórdia. O princípio é este, mas as fraquezas humanas e os pecados existem. Porém, a fraqueza e o pecado não têm a última palavra. A última palavra é a da misericórdia! Na Amoris laetitia se fala de matrimônio, do fundamento do matrimônio, como se preparar ao matrimônio, como educar os filhos, e no capítulo VIII, quando vêm os problemas, como se resolvem. Se resolvem com quatro critérios: acolher as famílias feridas, acompanhar, discernir cada caso e integrar, refazer. Isto significa colaborar nesta segunda fase, nesta recriação maravilhosa que o Senhor fez através da redenção. Existe o pecado, a ruptura, mas também a misericórdia, a redenção: a cura.”

Teoria de gênero

Sobre a teoria de gênero, definida pelo Papa Francisco como “grande inimiga, uma ameaça contra o matrimônio”, o Pontífice disse que acompanhou em sua vida de sacerdote as pessoas com tendências e práticas homossexuais.

“Eu as acompanhei e aproximei do Senhor. Nunca abandonei ninguém. As pessoas devem ser acompanhadas como as acompanha Jesus. Quando uma pessoa tem essa condição e chega diante de Jesus, o Senhor não lhe dirá: Vai embora porque você é homossexual! Não! Eu me referi sobre a maldade que se faz hoje com a doutrinação da teoria de gênero. Uma coisa é a pessoa ter essa tendência, essa opção, e também quem muda de sexo. Outra coisa é ensinar nas escolas esta linha para mudar a mentalidade. Isso eu chamo de colonizações ideológicas”, disse o Papa.

O Santo Padre disse que no ano passado recebeu uma carta de um espanhol que contou a sua história de quando era menino e garoto. Era uma menina, uma garota e sofreu muito porque se sentia garoto, mas fisicamente era uma garota. Quando se tornou adulto foi operado, mudou sua identidade civil, se casou e trabalha no ministério.

“As tendências ou desequilíbrios hormonais causam muitos problemas e devemos estar atentos a não dizer: É tudo a mesma coisa! Mas acolher, acompanhar, estudar, discernir e integrar cada caso, sempre com a misericórdia de Deus”.

Consistório

O Papa Francisco falou ainda do próximo Consistório, para o qual foram propostas três datas, sendo uma delas o primeiro Domingo do Advento, e que decidirá voltando desta viagem ao Cáucaso.

Sobre a escolha dos cardeais, o Pontífice disse que está estudando os nomes. “A lista é longa, mas há somente 13 lugares”, afirmou, acrescentando que lhe agrada a ideia de ver a universalidade da Igreja no Colégio cardinalício. “Não somente o centro – por assim dizer – ‘europeu’. Os cinco continentes, se possível”.

Viagem a Fátima

“Certamente, por enquanto, irei a Portugal, e irei somente a Fátima. Por enquanto. Por quê? Há um problema. Neste Ano Santo foram suspensas as visitas ad limina; ano que vem, devo fazer as visitas ad limina deste ano e do próximo. E há pouco tempo para as viagens. Mas a Portugal irei (o Pontífice mencionou a data de 13 de maio). À Índia e Bangladesh, quase certo. À África ainda não está certo o país, tudo depende seja do clima, em qual mês, porque se é no noroeste da África é um coisa, se é no sudoeste, é outra. E depende também da situação política e das guerras ali… Mas há possibilidades pensadas na África. Na América, disse que quando o processo de paz, se sair, gostaria de ir [à Colômbia], quando tudo estiver concluído…mas tudo depende do que dirá o povo. O povo é soberano.”

Possível viagem à China

“Temos boas relações, se estuda e se fala, há comissões de trabalho… Eu sou otimista. O povo chinês tem a minha estima. Outro dia, por exemplo, houve um congresso de dois dias sobre a Laudato si’ na Academia das Ciências, e havia uma delegação chinesa do presidente. E o presidente chinês me enviou um presente… há boas relações… Eu gostaria [de ir à China], mas ainda não penso nisso…”

Beatificação de padre Hamel

Outra pergunta dos jornalistas foi sobre a beatificação de padre Hamel, degolado na França em julho. O Papa confirmou que o cardeal Amato está analisando a questão, sem esperar os cinco anos exigidos para o início do processo.

Prêmio Nobel da Paz

Sobre a escolha do vencedor do Nobel da Paz, que será anunciado em 7 de outubro, Francisco pediu que se fale mais das vítimas inocentes das guerras e conflitos. “É um pecado contra Jesus Cristo, porque a carne dessas crianças, dessa gente doente, desses idosos indefesos é a carne de Cristo. Seria necessário que a humanidade dissesse algo pelas vítimas das guerras. Para aqueles que fazem a paz, Jesus disse que são bem-aventurados. Mas as vítimas das guerras, devemos dizer algo e tomar consciência, eh? Lançar uma bomba sobre um hospital de crianças e morrem 30, 40; sobre uma escola… esta é a tragédia dos nossos dias.”

Conselho para os eleitores estadunidenses

“Em campanha eleitoral, eu jamais digo uma palavra. O povo é soberano, somente digo: estude bem as propostas, reze e escolha em consciência! Agora saio do problema e vou para a ficção, porque não quero falar do problema concreto. Quando num país existem dois, três, quatro candidatos que não satisfazem a todos, significa que a vida política daquele país é demasiado politizada, mas não tem cultura política. E uma das tarefas da Igreja e do ensino nas faculdades é ensinar a ter cultura política. Existem países – penso na América Latina – que são demasiado politizados, mas não têm cultura política; sou deste partido, deste e daquele outro, mas afetivamente, sem um pensamento claro sobre as bases, as propostas.”

Conflito entre a Armênia e o Azerbaijão

Uma pergunta sobre o conflito entre a Armênia e o Azerbaijão: o que deve ocorrer para se chegar a uma paz permanente que tutele os direitos humanos? E qual o papel poderia ter o Santo Padre?

Francisco recordou que em dois discursos ele falou sobre isso, sendo que no último abordou o papel das religiões para ajudar nessa questão. “Creio que o único caminho seja o do diálogo, o do diálogo sincero, sem nada sob a mesa, sincero, face a face. Uma negociação sincera. E se não se pode chegar a isso, ter então a coragem de ir a um Tribunal Internacional, ir a Haia, por exemplo, e submeter-se ao julgamento internacional. Não vejo outro caminho”.

O Santo Padre enfatizou que a guerra sempre destroi, com a guerra se perde tudo. Os cristãos precisam rezar para que os corações dos envolvidos tomem o caminho de diálogo, de negociações ou ir a um tribunal internacional. “Mas não se podem ter problemas como esses: pensem que os três países caucásicos têm problemas. Também a Geórgia há um problema com a Rússia: não se conhece muito sobre isso… mas há um problema, que pode crescer… não se sabe; e a Armênia é um país sem fronteiras abertas, há problemas com o Azerbaijão. Deve-se ir ao tribunal internacional se não há diálogo e negociação: não há outro caminho. E a oração, oração pela paz”

Papa na “periferia”

Também perguntaram a Francisco porque ele viaja a lugares onde há pouquíssimos católicos ou então lugares “periféricos”. Ele respondeu:

“Essa pergunta me fizeram após a minha primeira viagem, que foi à Albânia: Por que o Senhor escolheu ir à Albânia na sua primeira viagem à Europa? Um país que não é da União Europeia? Depois eu fui a Sarajevo, na Bósnia Herzegovina, que não faz parte da União Europeia. O primeiro país da União Europeia onde eu fui foi a Grécia, Ilha de Lesbos: o primeiro. Por que fazer viagens a estes países? São três países caucásicos: os três presidentes vieram ao Vaticano para me convidar. E com insistência. E todos os três tiveram um comportamento religioso diferente: os armênios são orgulhosos – e isso sem ofender hein? – orgulhosos de sua “armenidade”… e têm uma história, e eles são cristãos, a grande maioria, mas, quase todos, cristãos apostólicos, cristãos católicos e um pouquinho de cristãos evangélicos: poucos. A Geórgia é um país cristão, totalmente cristão, mas ortodoxo. Os católicos são poucos. Ao invés, o Azerbaijão é um país, creio, 96-98% muçulmano: não sei quantos são os habitantes, porque eu disse dois milhões, mas creio que sejam vinte, não?… são cerca de 10. Sim, cerca de 10 milhões; os católicos são no máximo 600, poucos. E eu, por que vou ali? Pelos católicos, para ir à periferia de uma comunidade católica, que se encontra precisamente na periferia, e é muito pequena. E hoje na Missa eu disse que me fazia recordar a comunidade periférica de Jerusalém, fechada no Cenáculo, esperando o Espírito Santo, esperando poder crescer, sair… é pequena. Não é perseguida, não, porque no Azerbaijão há um grande respeito religioso, uma grande liberdade religiosa. Isso é verdade, eu disse isso no meu discurso hoje. E também esses três países são periféricos, como a Albânia, a Bósnia Herzegovina…E eu lhes disse: a realidade se entende melhor, e se vê melhor a partir das periferias do que do centro. E por isso escolho ir ali. Mas isso não tira a possibilidade de ir a um grande país como Portugal, França, não sei… vamos ver”.

Por Canção Nova, com Rádio Vaticano

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.