Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Homilia Dominical › 03/02/2020

DOMINGO DA APRESENTAÇÃO DO SENHOR – A

Pe. Valeriano dos Santos Costa – Capela da PUC-SP – 02 de fevereiro de 2020

Ml 3,1-4; Sl 23(24); Hb 2,14-18; LC 2,22-40

Este Menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel!

Nos quarenta dias pós-parto, Maria e José sobem a Jerusalém para a Apresentação do Menino e a purificação da Mãe, conforme a Lei de Moisés determinava. E aí é revelada a identidade e a missão do Menino. Ele é o dominador e o Anjo da Aliança profetizados por Malaquias. Sua dominação é o poder contra o mal que arrasta a terra. Contra ele ninguém poderá resistir, pois ele é como o fogo da forja que faz derreter e purificar a prata, isto é, ele vai purificar Israel dos seus pecados. À sua chegada as portas se abrem para deixar passar o Rei da Glória, como diz o Salmo.
No entanto, o mais belo é que ele triunfa não pela grandeza da Majestade externa, mas pela beleza da Encarnação, tendo em comum conosco toda a realidade humana, menos o pecado, como diz a Carta aos Hebreus. Pois ele próprio tendo sofrido ao ser tentado, é capaz agora de socorrer os que sofrem a tentação.
Quando Simeão tomou-o nos braços, expressou o sentimento da humanidade inteira quando se entrega a Jesus. Depois de abraçar Jesus, Luz das nações, a espera está encerrada, Não falta mais nada senão viver o resto dos dias em harmonia e partir em paz. Esta fé de que o tempo chegou à sua plenitude messiânica conduziu muitas vidas no Amor e santificou gerações.
Ainda há uma atitude importantíssima: aquela que encontramos em Ana, a viúva que se entregara a Deus numa vida templária de orações e piedade infinita. Depois de encontrar o Menino no Templo, ela adquiriu a juventude da fé e pelo resto da vida se fez missionária, falando dele a todos que esperavam a salvação. Portanto, encontrar Jesus, não é hora de partir, mas de anunciá-lo, como fez Ana.
Por fim, é profetizada a dor de Maria, como espada aguda cravada num coração de Mãe que sofrerá as chagas da maldade humana contra o seu pequeno Rei que escolheu o caminho do amor para salvar o mundo. Que esta celebração, além de acender as chamas do coração, simbolizadas pelas velas em nossas mãos, nos purifique e nos com prometa com Luz divina. Que esta Luz nos ajude a nos preparar para celebrar sua Páscoa, precedida por uma quaresma de penitência, jejum e oração, a fim de que também nós possamos ser purificados para acolher o Servo Sofredor ressuscitado, com todo o nosso coração como fizeram o Profeta Simeão e a Profetisa Ana. E com eles passar o resto da vida em Paz falando a todos dessa LUZ.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.