Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Destaques › 17/04/2020

O Papa reza pelas mães grávidas e alerta para o risco da fé “virtual”

Na Missa esta sexta-feira (17/04) na Casa Santa Marta, no Vaticano, Francisco pensou nas mulheres grávidas neste tempo de incerteza. Na homilia, o Papa falou do risco de uma fé gnóstica, sem comunidade e contatos humanos reais, vivida unicamente através do streaming que “viraliza” os sacramentos

Francisco presidiu a Missa na Casa Santa Marta, no Vaticano, na manhã desta sexta-feira (17/04) da Oitava da Páscoa. Na introdução, dirigiu seu pensamento às mulheres grávidas:

Gostaria que hoje rezássemos pelas mulheres gestantes, as mulheres grávidas que se tornarão mães e estão inquietas, se preocupam. Uma pergunta: “Em qual mundo meu filho viverá?” Rezemos por elas, a fim de que o Senhor lhes dê a coragem de levar estes filhos adiante com a confiança de que será certamente um mundo diferente, mas será sempre um mundo que o Senhor amará muito.

Na homilia, o Papa comentou o Evangelho do dia (Jo 21,1-14) em que Jesus ressuscitado aparece aos discípulos retornados à margem após uma pesca infrutuosa no mar de Tiberíades. Convidados pelo Senhor a lançar novamente as redes, enchem-nas de peixes. É uma cena – disse Francisco – que se realiza com naturalidade, porque os discípulos tinham crescido na familiaridade com Jesus. Nós, cristãos – explicou –, devemos crescer nesta familiaridade, que é pessoal, mas comunitária. Uma familiaridade sem comunidade, sem Igreja, sem os sacramentos, é perigosa, pode tornar-se uma familiaridade gnóstica, separada do povo de Deus. Nesta pandemia – observou – se comunica através da mídia, mas não se está juntos, como acontece com esta Missa. É uma situação difícil em que os fiéis não podem participar das celebrações e podem fazer somente a Comunhão espiritual. Devemos sair do túnel para voltar (a estar) juntos porque esta não é a Igreja. Que o Senhor – foi a oração do Papa – nos ensine esta familiaridade com os sacramentos e com o santo povo de Deus. A seguir, o texto da homilia transcrita pelo Vatican News:

Os discípulos eram pescadores: Jesus os tinha chamado propriamente no trabalho. André e Pedro estavam trabalhando com as redes. Deixaram as redes e seguiram Jesus. João e Tiago, a mesma coisa: deixaram o pai e os moços que trabalhavam com eles e seguiram Jesus. O chamado foi feito propriamente no trabalho deles de pescadores. E esta passagem do Evangelho de hoje, este milagre, da pesca milagrosa nos leva a pensar em outra pesca milagrosa, aquela contada por Lucas, no capítulo quinto: também ali aconteceu o mesmo. Fizeram uma pesca, quando pensavam não ter (nada). Após a pregação, Jesus disse: “Tomai o largo” – “Mas trabalhamos a noite inteira sem nada apanhar!” – “Ide”. “Confiantes na palavra – disse Pedro – lançarei as redes”. Era tamanha a quantidade (de peixes) – diz o Evangelho – que “foram tomados de espanto”, por aquele milagre. Hoje, nesta outra pesca não se fala de espanto. Vê-se uma certa naturalidade, se vê que houve um progresso, um caminho percorrido no conhecimento do Senhor, na intimidade com o Senhor; direi a palavra justa: na familiaridade com o Senhor. Quando João viu isso, disse a Pedro: “Mas é o Senhor!”, e Pedro vestiu sua roupa e atirou-se na água para ir até o Senhor. Na primeira vez, ajoelhou-se diante d’Ele: “Afasta-te de mim, Senhor, que sou um pecador”. Desta vez não diz nada, é mais natural. Ninguém perguntava: “Quem és?” Sabiam que era o Senhor, era natural, o encontro com o Senhor. A familiaridade dos apóstolos com o Senhor tinha crescido.

Também nós, cristãos, em nosso caminho de vida nos encontramos neste estado de caminhar, de progredir na familiaridade com o Senhor. O Senhor – poderia dizer – é de certo modo “aberto”, mas “aberto” porque caminha conosco, sabemos que se trata d’Ele. Ninguém lhe perguntou, aí, “quem és?”: sabiam que era o Senhor. Uma familiaridade cotidiana com o Senhor, é a do cristão. E, certamente, fizeram a primeira refeição do dia juntos, com o peixe e o pão, certamente falaram de muitas coisas com naturalidade.

Esta familiaridade dos cristãos com o Senhor sempre é comunitária. Sim, é íntima, é pessoal, mas em comunidade. Uma familiaridade sem comunidade, uma familiaridade sem o pão, uma familiaridade sem a Igreja, sem o povo, sem os sacramentos, é perigosa. Pode tornar-se uma familiaridade – digamos – gnóstica, uma familiaridade somente para mim, separada do povo de Deus. A familiaridade dos apóstolos com o Senhor sempre era comunitária, se dava sempre à mesa, sinal da comunidade. Sempre era com o Sacramento, com o pão.

Digo isso porque alguém me fez refletir sobre o perigo deste momento que estamos vivendo, essa pandemia que fez que todos nos comunicássemos também religiosamente através da mídia, inclusive esta Missa, estamos todos comunicados, mas não juntos, espiritualmente juntos. O povo é pequeno. Há um grande povo: estamos juntos, mas não juntos. Também o Sacramento: hoje vocês terão, a Eucaristia, mas as pessoas que estão em conexão conosco (terão) somente a Comunhão espiritual. E esta não é a Igreja. Esta é a Igreja de uma situação difícil, que o Senhor a permite, mas o ideal da Igreja é sempre com o povo e com os Sacramentos. Sempre.

Antes da Páscoa, quando saiu a notícia que eu celebraria a Páscoa em São Pedro (na Basílica de São Pedro) vazia, um bispo me escreveu – um bom bispo: bom – e me repreendeu. “Mas como é possível, (a Basílica de) São Pedro é tão grande, por que não colocam 30 pessoas ao menos, para que se veja as pessoas? Não haverá nenhum perigo…”. Eu pensei: “Mas, o que esse tem na cabeça, para me dizer isso?” No momento, não entendi. Mas como é um bom bispo, muito próximo do povo, algo quererá dizer-me. Quando o encontrar, lhe perguntarei. Depois entendi.

Ele me dizia: “Esteja atento para não viralizar a Igreja, para não viralizar os Sacramentos, para não viralizar o Povo de Deus”. A Igreja, os Sacramentos, o Povo de Deus são concretos. É verdade que neste momento devemos ter esta familiaridade com o Senhor desse modo, mas para sair do túnel, não para permanecer aí. E essa é a  familiaridade dos apóstolos: não gnóstica, não viralizada, não egoísta para cada um deles, mas uma familiaridade concreta, no povo. A familiaridade com o Senhor na vida cotidiana, a familiaridade com o Senhor nos Sacramentos, no meio do Povo de Deus. Eles fizeram um caminho de amadurecimento na familiaridade com o Senhor: aprendamos nós a fazê-lo também. Desde o primeiro momento, eles entenderam que aquela familiaridade era diferente daquilo que imaginavam, e chegaram a isso. Sabiam que se tratava do Senhor, partilhavam tudo: a comunidade, os Sacramentos, o Senhor, a paz, a festa.

Que o Senhor nos ensine essa intimidade com Ele, essa familiaridade com Ele, mas na Igreja, com os Sacramentos, com o santo povo fiel de Deus.

O Santo Padre terminou a celebração com a adoração e a bênção eucarística, convidando a fazer a Comunhão espiritual. A seguir, a oração recitada pelo Papa:

Aos vossos pés, ó meu Jesus, me prostro e vos ofereço o arrependimento do meu coração contrito que mergulha no seu nada na Vossa santa presença. Eu vos adoro no Sacramento do vosso amor, a inefável Eucaristia. Desejo receber-vos na pobre morada que meu coração vos oferece; à espera da felicidade da comunhão sacramental, quero possuir-vos em Espírito. Vinde a mim, ó meu Jesus, que eu venha a vós. Que o vosso amor possa inflamar todo o meu ser, para a vida e para a morte. Creio em vós, espero em vós. Amo-vos. Assim seja.

Antes de deixar a Capela dedicada ao Espírito Santo foi entoada a antífona mariana “Regina caeli”, cantada no tempo pascal:

Rainha dos céus, alegrai-vos. Aleluia!

Porque Aquele que merecestes trazer em vosso seio. Aleluia!

Ressuscitou como disse. Aleluia!

Rogai por nós a Deus. Aleluia!

D./ Alegrai-vos e exultai, ó Virgem Maria. Aleluia!

C./ Porque o Senhor ressuscitou, verdadeiramente. Aleluia!

Por Vatican News

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.