Horários de Missas

Segunda-feira à Sexta-feira: 7h30, 12h10 e 18h

Sábados: 9h30, 12h e 16h  

Domingos: 9h30, 11h, 12h30, 18h30

 

Notícias › 21/06/2018

Papa participa de oração ecumênica em Genebra: “caminhar juntos”

O caminho da divisão leva a guerras e destruições; Deus pede o caminho de comunhão, que leva à paz. Esta foi a reflexão do Papa Francisco ao participar, nesta quinta-feira, 21, da Oração Ecumênica na sede do Conselho Mundial de Igrejas, em Genebra, na Suíça.

Francisco realiza hoje uma peregrinação ecumênica à cidade suíça por ocasião dos 70 anos do Conselho Ecumênico das Igrejas. “Desejei vir aqui, peregrino em busca de unidade e de paz”, disse o Papa, destacando que “caminhar juntos” para os cristãos não é uma estratégia, mas um ato de obediência a Deus e de amor pelo mundo.

O Santo Padre lembrou que o homem é um ser a caminho, mas caminhar requer disciplina e causa cansaço, demanda paciência, treinamento diário, também a renúncia de alguns caminhos em prol daquele que conduz à meta. “É por isso que muitos desistem, preferindo a tranquilidade doméstica, onde pode cuidar comodamente dos seus negócios sem se expor aos riscos da viagem”.

“O ecumenismo pôs-nos em movimento segundo a vontade de Jesus e poderá avançar se, caminhando sob a guia do Espírito, recusar toda a reclusão autorreferencial”, destacou.

Após tantos anos de empenho ecumênico, Francisco rezou, neste 70º aniversário do Conselho, para que o Espírito Santo revigore esse passo. “Que as distâncias não sejam desculpas! É possível, já agora, caminhar segundo o Espírito. Rezar, evangelizar, servir juntos: isto é possível e agradável a Deus. Caminhar juntos, rezar juntos, trabalhar juntos: eis a nossa estrada-mestra de hoje”.

O Santo Padre pediu, por fim, que os cristãos possam caminhar juntos, com mais vigor, nos caminhos do Espírito Santo. “Que a Cruz nos sirva de orientação no caminho, porque lá, em Jesus, foram abatidos os muros de separação e foi vencida toda a inimizade: lá compreendemos que, apesar de todas as nossas fraquezas, nada poderá jamais separar-nos do seu amor”, concluiu.

Por Canção Nova, com Boletim da Santa Sé

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.